quinta-feira, 6 de novembro de 2014

ASSASSINATO À BEIRA MAR quinto episódio



Neste dia ela veio do mesmo jeito de sempre e quando olhou mesmo que de fininho observou que os dois estavam diferentes, parou e olhou, então viu a mulher caída e o homem debruçado com o corpo todo largado. Ela não era mulher de histerismos. É claro, estava assustada. Recostou-se à mureta e devagar se aproximou um pouco mais para ver melhor o que estava acontecendo, mas com a devida precaução para não ter surpresas, parou, olhou e voltou correndo com seus passinhos ligeiros até a delegacia, onde assustada contou ao primeiro policial que avistou junto à entrada.
― Minha senhora, entre e fale com o delegado, ele está na sala dele. Ele vai gostar de ouvir esta história. Ei dona, a senhora não me viu aqui, certo?
Dona Genoveva entrou esbaforida e pediu para falar com o delegado. Quando o policial que a atendeu perguntou-lhe o motivo pelo qual queria falar com ele, ela lhe contou o que acabara de presenciar logo ali nas barbas deles todos.
― Minha senhora, a senhora sobe aquela escada e no primeiro andar a primeira sala à direita é a sala do delegado.
― Meu filho, estou comunicando um assassinato, bem aqui pertinho, dois corpos caídos com tiros na cabeça e você me faz subir escada, era só o que faltava mesmo.
― Minha senhora, a rotina é esta, não posso fazer nada.
― Claro que pode. Vai você lá em cima e comunica isso ao delegado. Eu já estou indo, tchau. Mas que moleza desse pessoal, era só o que faltava.
Foi assim, bufando de raiva que ela saiu da delegacia atravessou pelo meio dos carros sem reparar que o semáforo estava aberto para eles e fechado para ela, em frente ao prédio da REFESA e se dirigiu à rua Padre Antônio Vieira, por onde subiria passando por traz da Escola Modelo Benedito Leite e atravessando a Praça Antônio Lobo, a praça da Igreja que faz parte do Seminário Santo Antônio, para chegar em casa, na rua do Alecrim.
Ela morava em uma das poucas casas que ainda serviam de moradia porque a maioria já estava sendo usada como empresa ou escritório de empresas, mas mesmo assim ainda tinha muita gente morando por ali.
Foi somente por este motivo que os dois corpos foram encontrados tão depressa.
Os policiais que estavam na praça logo acima, foram chamados imediatamente para atenderem à ocorrência.
 ( continua no próximo episódio)

Nenhum comentário:

Postar um comentário