quinta-feira, 14 de outubro de 2010


Toda aquela gente,
rosto colado ao chão,
preces eleva
bem alto aos céus,
pra alguém de lá escutar.

A multidão olha pro mar,
que calmo,
nada ouvindo,
joga, tão brando,
ondas na praia.

As preces,
mais altas agora,
e o som se propaga
por todo o oceano.

Do céu então,
um trovão se faz ouvir,
e um clarão, no horizonte,
ofusca os olhos desta gente.

As águas do mar
se agitam,
logo se acalmam;
as vozes se calam
e os corações se precipitam.

As gaivotas revestem de branco,
o sol doira,
o céu muito azul
emoldura o espetáculo.

Tudo emudece
e adora,
espera,
palpita,
desfalece...


Um murmúrio agoniza
no intimo suplicante
de cada ser que balbucia...

Aceita...Senhora...

E os barquinhos vão
velejando sozinhos.
Vão tangidos pelo vento,
impelidos para o mar,
envoltos na espuma das águas.

É o pão de um
de cada dia.
É o sangue,
é a esperança
desta gente,
que vão,
tragados pelo mar,
aceitos por “IEMANJÁ


AUTOR: Edison Rodrigues Paulino





Nenhum comentário:

Postar um comentário